O Ministério Público  está pedindo a condenação de um ex-servidor público de Castro por improbidade administrativa, segundo informações o guardião concursado que estaria exercendo cargo comissionado de Gerente da segurança do Patrimônio Público, cobrou cerca de R$3.600,00 em propina de seus subordinados, com a promessa de ajudá-los a receber valores referentes a horas-extras.
  Segundo o MP-PR, a propina foi cobrada entre abril e agosto de 2013 e mais, o valor referente as horas extras noturnas dos guardiões subordinados já era reconhecida pela administração municipal. Conforme dados, o acusado aliciava os funcionários para “correr” atrás do pagamento de horas extras, e ao conseguirem deveriam pagar 10% do montante para ele.
  A Promotoria concluiu que houve violação do Estatuto do Servidor além de crimes como improbidade, corrupção e enriquecimento ilícito. O acusado poderá perder bens ou valores arrecadados ilicitamente, caso esteja exercendo função pública vai perder o cargo, perda dos direitos políticos e estará proíbido de firmar contratos com o poder público.
  O MP-PR divulgou apenas os milagres, o nome do Santo manteve-se em sigilo. Mas quem é funcionário da Prefeitura, principalmente na área de segurança deve saber de quem se trata.